segunda-feira, 2 de maio de 2022

NOD137. O último rebelde


A bela ideia chave deste livro não nos foi indiferente. Durante mais de cinquenta anos bailou na nossa cabeça e, finalmente, o livro voltou às nossas mãos. Oh! Quantas vezes recordei aquelas palavras: «Salvaste-me a vida e eu dei-te o coração».
Temos de provar que isto acontece mesmo em «O último rebelde». É, por isso, que a partir de hoje e nos próximos dias vamos publicar, em formato passagens, o livro por inteiro. Eis o prólogo...

A guerra da Secessão americana principiou em 12 de Abril de 1861. Depois de várias alternativas, a vitória inclinou-se definitivamente para o lado das Repúblicas da União.
Texas permaneceu sempre fiel aos confederados do Sul, embora no seu território não se houvesse travado nenhuma batalha importante, mas apenas algumas escaramuças.
Em 3 de Abril de 1865 o general Lee, com 60 000 homens, rendeu-se em Appomatox-Court--House às tropas do Norte, acaudilhadas pelo general Grant.
No dia 9 do mesmo mês, o general Johnston entregava-se em Raleigh com o resto das tropas sulistas, e essa rendição acabou com aquela sangrenta guerra civil, que durara quatro anos, e que se deu oficialmente por terminada em 27 de Abril de 1865.
Mas nem todos os componentes do exército sulista se conformaram com a rendição e muitos fugiram, de preferência a tornarem-se prisioneiros da União.
Entre estes, contava-se o major Ronald Watterfield.
Membro de uma abastada família de Alabama, e sulista até à medula, juntou ao seu redor um numeroso grupo de homens audazes e decididos, como ele fiéis ao seu ideal e que sempre conseguira iludir as fortes tropas da União, cujo Governo oferecera uma recompensa avultada a quem o entregasse.
Durante mais de dois meses não se falou senão do último rebelde. O eco das suas façanhas chegou aos mais ignorados recantos da jovem nação americana, até que de súbito, um dia, o grupo dissolveu-se e não mais se tornou a ouvir falar do major Watterfield, como se a terra o houvesse tragado.
Passou tempo, e aquela pujante nação, que se dedicava plenamente à sua tarefa colonizadora e expansiva, esqueceu aquele nome, mas a oferta de uma recompensa continuou de pé, pois que o Governo não podia deixar sem castigo o único homem que ousou desafiar o seu nascente poderio. 
Eis a estrutura da obra:

domingo, 1 de maio de 2022

NOD136. "Procura Sarilhos" Jimmy


"Procura Sarilhos" Jimmy era um homem que, inconscientemente, procurava a sua identidade. Fugido das masmorras da Guerra da Secessão, amnésico, cruzava o Oeste à procura de um homem com determinado nome, mas não resistia ao chamamento de uma mulher bela. 

sábado, 30 de abril de 2022

NOD135. Todos os culpados morreram

Todos os culpados morreram... 
... e alguns com aviso prévio, como pode concluir-se da estranha vingança de Frank relativamente à morte do irmão. 
No final, restou um jovem e uma rapariga que foi defendida por este em momento de voragem do malvado Frank que, num assomo de dignidade final, nem se defendeu. 
Trata-se de uma novela anedótica onde o número de mortos quase suplanta o número de páginas.

sexta-feira, 15 de abril de 2022

NOD134. Diligência para o inferno


Sentimos curiosidade ao encontrar este pequeno livro da coleção «Fúria de Bravos». Primeiro, porque se tratava de um texto do nosso velho conhecido Tex Taylor. Será que ele conseguiria transmitir neste pequeno volume todo o seu sentido de epopeia presente nas suas novelas sobre o velho Oeste? Em segundo lugar, admirou-nos encontrar uma novela exatamente com o mesmo título da anteriormente publicada e essa da autoria de Silver Kane. Haveria pontos comuns entre as novelas? Seriam um e o mesmo autor?

A verdade é que o texto, depois de um começo algo desastrado, não nos desiludiu a partir do momento em que o autor pegou na diligência e arrancou para território índio onde nos reservou uma cena magnífica com a bela Meredith em banho no lago ao luar. Não contente com isso, ainda nos conseguiu transmitir as emoções do rancheiro John Weldon perante o corpo desnudado da beldade. Assim, metade do livrinho merece verdadeiramente ser lido.

Quanto ao início...

Compreendemos que o autor tivesse de arranjar alguma maneira de fazer o rancheiro e a jovem conhecer-se. Mas aquele duelo com Hazes... O mínimo que se pode dizer é que não é convincente, pois nenhum pistoleiro tem o comportamento que Hazes evidenciou perante John Weldon. Em seguida, o duelo no «saloon» também é um pouco forçado.

Finalmente, posso garantir que este livrinho não tem qualquer afinidade com o de Silver Kane para além do título e da viagem na diligência.

Seguem-se apontadores para o texto mais informação sobre o que seria o próximo volume e a contracapa onde surge um cromo da «História de Lisboa». As ilustrações utilizadas são as constantes do livrinho para além de outras recolhidas da Net sem qualquer relação com a novela.

FBV034.01 Do banco para a prisão por causa de uma jovem elegante e de um beliscão

FBV034.02 Duelo no «saloon»

FBV034.03 Encontro na estalagem

FBV034.04 O estranho bailado do cavaleiro frente aos índios

FBV034.05 A estalagem destruída

FBV034.06 Banho ao luar

FBV034.07 Em defesa da sua amada

FBV034.08 Desejo de macho

FBV034.09 A ferocidade de Satanta

FBV034.10 As notas claras e vibrantes do clarim

FBV034.11 Epílogo

 


terça-feira, 29 de março de 2022

NOD133. Ataque no desfiladeiro


Trazemos hoje um conto assinado por Orlando Marques que nos relata a proeza de um homem que não hesitou em enfrentar uma tribo de Creeks em guerra apesar de se encontrar numa desproporção assinalável. Era a forma de ajudar os colonos instalados em Forte Preston cercados e sistematicamente a ser dizimados pelos terríveis guerreiros.

Assinale-se ainda neste conto a preocupação do herói em não martirizar mulheres e crianças que poderiam ser vítimas colaterais da sua luta de vida ou morte.

Esta história veio publicada nos fascículos do Mundo de Aventuras 497 a 502, apresentando em determinada altura uma gafe de atribuição a Jorge Magalhães. É ilustrada por cinco desenhos de autor não identificado que aqui reproduzimos.

sexta-feira, 25 de março de 2022

NOD132. Balas para todos

E voltamos a Tex Taylor... 
.. numa novela que já não tem aquele gostinho específico do Oeste, mas que, apesar de tudo, é plena de emoção. 
Um grupo bem estranho forma-se integrando o capataz de um rancho, um advogado e um ex-presidiário. O objetivo é apoderarem-se do rancho utilizando meios legais, depois de algumas falcatruas, e recorrendo a assassínios se necessário. A verdade é que iam conseguindo os seus objetivos e, não fosse a porfiada ação de um jovem que adorava a filha do dono do rancho, ela acabaria por não ser herdeira na sequência do assassínio que o malvado capataz executou na pessoa do seu pai. 
E, no final, houve balas para todos.

terça-feira, 8 de março de 2022

NOD131. Perseguido!

Três anos depois de ter abandonado a sua terra para procurar oiro no leito do Gila River, Dan Holliday iniciou, derrotado, o regresso, angustiado com a recepção que a sua noiva, Rosie, lhe dedicaria. Mas não chegaria ao seu destino…

Numa luta desigual, acabou por ser ajudado pelo chefe de uma quadrilha que, prometendo-lhe enriquecimento rápido, o levou a cometer uma série de crimes. Mas Dan não era homem para aquilo e um dia resolveu afastar-se, apesar de um dos velhos companheiros lhe garantir que o passado nunca deixaria de o perseguir.

E era verdade. Dan acabou por ir parar à prisão, participar em trabalhos forçados e demorou alguns anos a poder voltar à sua terra onde não teve uma receção calorosa. O pai da sua noiva estava envolvido numa intriga com o fornecimento de armas aos nortistas e o regresso do indesejado pretendente serviu-lhe de pretexto para o acusar de mais um crime.

Mais uma vez perseguido, Dan Halliday encontrou numa mestiça o alento para uma a sua salvação. Ela curou-lhe as feridas, mas também lhe limpou a alma de velhos fantasmas…

domingo, 27 de fevereiro de 2022

NOD130. O rancho dos assassinos

 

Silver City era uma cidade onde reinava a desordem e o banditismo. Dois homens acalentavam o sonho de impor a lei na cidade e um deles até se propunha tornar-se xerife na mesma para prosseguir essa empresa. Quis o destino que fosse abatido durante o assalto a um banco por bandidos e o seu amigo, Mike, resolveu vingá-lo assumindo-se como o novo representante da lei e ordem após nomeação pelo juiz Halloran.

Na posse do novo cargo, Mike foi convencido a ir até Santa Rita onde se teriam refugiado os bandidos. Também a Santa Rita chegou uma jovem, proveniente do Leste, com o objetivo de assumir um rancho herdado de um familiar. E qual não foi o espanto de ambos quando chegaram à conclusão de que o rancho estava ocupado por indivíduos esquisitos e perigosos.

Aqui fica uma novela de Sam Fletcher, um autor que conhecemos desde os primórdios da Coleção Búfalo.

sábado, 26 de fevereiro de 2022

NOD129. Assassino precisa-se

 

Allan era um tipo solitário, um verdadeiro nómada das pradarias. Nunca parava muito tempo no mesmo local. 

Grassville era uma povoação pacífica, uma terra onde se criava gado e o xerife passava o tempo sentado sem preocupações de maior.

Mas, quando Allan se dirigiu àquela cidade, assistiu a um espetáculo tétrico que vitimizou três vaqueiros. Sem poder fazer nada para os socorrer, viu que foram baleados. Um deles era herdeiro com a irmã de uma propriedade bastante próspera e fazia uma certa oposição à união dela com um agiota.

Pouco depois de ter entrado em Grassville, Allan viu-se acusado de um crime que não cometera simplesmente pelo facto de a poeira no seu cavalo denunciar a sua presença no local do crime. E o principal acusador era o famigaredo agiota. Porquê? Será que temia que ele lhe roubasse a noiva?

Esta novela é da autoria de Edgard Kennedy um autor de quem se poderia esperar um argumento um pouco mais elaborado. Mas tem interesse e lê-se relativamente bem embora desde o princípio de adivinhe quem é o criminoso.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

NOD128. Eu vi quem matou!

Warren Harvey dirigia-se para o vale de Yosemite na esperança de encontrar trabalho. A jornada não foi fácil, pois cometeu a imprudência de atravessar o deserto e o cavalo, depois de grande esforço, não resistiu. 
Num momento de descanso, ouviu tiros e presenciou uma cena dramática: um grupo de homens assaltava uma diligência e, no final, um deles desfechou um tiro no guarda e gritou bem alto o nome de outro bandido: Nason. Warren prometeu a si próprio não esquecer aquele nome, mas, pouco depois, escondido na vegetação, notou que os assaltantes utilizavam nomes diferentes. Estranho quele acto! Que esconderia? 
Depois de uma curta refrega com os assaltantes, conseguiu escapar-lhes e dirigiu-se a pé até a uma cabana onde pediu ajuda. Qual o seu espanto quando soube que um dos que a habitavam se chamava Nason e nada tinha a ver com os assaltantes… 
Aqui deixamos uma novela intrigante de Louis Rock que explora as rivalidades numa sucessão ao cargo de xerife.

NOD127. Uma mulher de recursos

Contradição curiosa entre o título da capa e o que ostenta a primeira página. Mas a verdade é que a "Trampas" Jane tinha recursos suficientes para pôr muito galifão doido por ela e em sentido. Eis mais um título de Ricky Dickinson, o criador de Pícaro Bill, com as figuras já conhecidas e no ambiente de Dodge City.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

NOD126. Luta Selvagem

Qunado aquele homem chegou a Virginia City e o seu primeiro passo foi dirigir-se ao cangalheiro para lhe pagar um serviço futuro, este ficou desde logo a saber que grande sarilho iria ter lugar na cidade. Mas não teve hipótese de assistir pois o seu cliente deixou-o fechado num caixão. 
A verdade é que depois de ter vingado a morte do seu irmão, este bravo lutador foi convidado pelo juiz da cidade para impôr a ordem na mesma. E quem lhe levou o convite foi suficientemente convincente para ele ficar. Chamava-se Tessie.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2021

NOD125. Perigo nas trevas

Apresentamos hoje um conto que, apesar do seu título algo alarmante, é portador de uma assinalável ternura, mesmo própria da época natalícia. Quem não gostaria de dormir neste invernoso momento com um esquilinho enrolado ao pescoço.

A publicação deste pequeno conto ocorreu no fascículo 5 do volume 10 do Condor Popular em data não determinada (talvez para o início de 1956) e o autor não está identificado.

segunda-feira, 25 de outubro de 2021

NOD124. Traidores do Oeste

«Traidores do Oeste» é um conto assinado por Orlando Marques publicado nos fascículos 408 e 409 da primeira série do Mundo de Aventuras. Não está identificado o autor das ilustrações.

O velho Bill Saunders conduzia um comboio que transportava importante carga de armas e medicamentos com destino a Forte Oregon. Não sabia que um grupo de traidores fazia planos para o impedir de cumprir essa missão na mira de receber contrapartidas dos «sioux» que pretendiam destruir esse forte.

Acontece que a conversa dos bandidos foi surpreendida pelo pequeno Jim que, aterrorizado com o que ouvira, encetou uma fuga com o objetivo de avisar o pai, nada mais nada menos do que o velho Bill. Não o conseguiu, pois foi apanhado pelos bandidos que, reconhecendo-o, o amarraram a uma árvore.

Os bandidos partiram para pôr em prática os seus planos e o pequeno para ali ficou até que foi encontrado pela pequena irmã. Iniciou então monumental cavalgada ao lado dela para avisar o pai.

E o plano dos bandidos gorou-se…

1. Planos sinistros

2. A derrota dos traidores


quarta-feira, 13 de outubro de 2021

NOD123. Búfalo Bill ataca!

Este pequeno livro da Coleção Cow-boy tem um cariz biográfico: ele fornece-nos uma visão que se pretende verídica sobre a vida e personalidade de Buffalo Bill, integrando-a com outros aspectos romanceados das suas façanhas. 

É assim que o autor destaca a sua principal proeza, designadamente, o seu combate com «Mão Amarela» para, em seguida, se dedicar a uma ficção acerca de uma colaboração com o chefe «sioux» «Águia Guerreira» com o objetivo de desmascarar os brancos que davam armas e «whiskey» aos índios em troca de lhes ficar com as terras. 

E quis o argumento que um desses brancos ocupasse o posto de General no exército dos USA e outro fosse juiz na cidade de Deadwood. Uma elite em quem se podia confiar…

Para temperar ainda mais o argumento, o autor, o senhor Kirby, um perito em questões históricas, revela que a menina Bruning, futura esposa de Buffalo Bill, não era nada mais nada menos do que a filha de um desses traidores. Pobre Buffalo! Como conseguiu ele calar esse facto tantos os anos que terá vivido com ela? Talvez por isso se tenha refugiado num circo…

A publicação integral deste livro, a que vamos proceder, terá a seguinte estrutura:

CWB011. 01 Prefácio

CWB011.02 Buffalo Bil contra «Mão Amarela»    

     (compare com o Buffalo Bill contra «Mão Amarela de Craenhals)

CWB011.03 Resistência à invasão dos brancos: o manto de «Aguia Guerreira»

CWB011.04 A derrota da resistência índia

CWB011.05 Planos para a convivência com os índios

CWB011.06 Um índio na cidade

CWB011.07 «Whiskey» e armas em troca das terras dos indios

CWB011.08 Morte aos traidores brancos


domingo, 10 de outubro de 2021

NOD122. Correia & Coelho. As aventuras de Jim West


«As aventuras de Jim West» é uma novela em 16 episódios da autoria de Artur Correia com ilustrações de E.T.Coelho, saída inicialmente na revista Mosquito e que aqui publicamos a partir da sua republicação no Jornal do Cuto. 
Jim West, Nath Pig, Louise e as várias tribos índias são os elementos centrais da trama a qual nos surge cheia de corridas, perseguições e um grande hino à amizade e ao amor, neste caso de Jim por Louise a quem procura afincadamente. 
 A escrita de Artur Correia pode aqui ser apreciada e podemos compreender como terá influenciado novelistas posteriores os quais nunca lhe renegaram elogios. 
A este respeito leia-se o que Jorge Magalhães escreveu no seu «O voo do Mosquito» a propósito deste grande autor, aliás um dos fundadores daquela mítica revista. 
E, agora, apreciem a novela.

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

NOD121. O sangue brilha ao Sol

Eis um livro muito bem urdido de Mortimer Cody onde, por vezes, esquecemos o facto de ser um resumo, mas que nos leva ao desejo de conhecer a obra maior.

Quatro homens, saídos do exército confederado, foram integrados numa companhia de caminhos de ferro, a Union Pacific e resolveram fugir com trezentos mil dólares que roubaram depois de abaterem um elemento da empresa. Um desses homens, Carter, ficou ferido e, durante a fuga, foi baleado por um dos cúmplices perante a apatia dos restantes.

Jake Duncan foi contratado pela Union para recuperar o produto do roubo e iniciou uma competente perseguição aos quatro homens cujo destino foi diferente de caso para caso: um dedicou-se à bebida e a uma velhice completamente degradada; outro abriu um saloon onde aplicou o produto do roubo e perpetuou o rendimento; o mais selvático continuou uma vida de crimes e assaltos violentos; e o homem ferido foi recolhido por uma jovem que se apaixonou por ele. Esse homem interiorizou a missão de devolver à Union tudo o que havia sido roubado.

A ligação de Jake Duncan a este homem, Carter Maxine, não tardou a ser estabelecida e foi facilitada pela jovem que recolhera Carter ao tentar contratar os serviços de Jake para o defender perante os antigos companheiros.

Mas Carter teimou em levar a sua missão sozinho até ao fim e um dia algo quente e avermelhado correu pelas ruas da cidade perante os olhos de uma mulher em pânico.

Vamos apresentar o texto integral deste livro da coleção «6 Balas» de acordo com a seguinte estrutura:

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Agosto, mês de férias

E, agora que o «Abutre Negro» está preso, podemos ir de férias.
O Novelas suspende a sua atividade por um período indefinido.
Para os compensar aqui fica uma versão inigualável da «House of the Rising Sun»...


quarta-feira, 1 de agosto de 2018

CNT013. «Abutre Negro», o índio renegado

LARRY Jones ficou parado à porta do «saloon», com as mãos a segurarem os batentes. Quase abriu a boca de espanto e por duas vezes a seguir abriu e fechou os olhos, como se não acreditasse no que via.
Era possível existir no velho Oeste turbulento, cheio de perigos e traições, uma cidade cujos habitantes deixassem vazio o «saloon» por volta da meia-noite? Não! Aquilo era um sonho! Larry não podia estar acordado!
Tal facto era tão impossível como dez e dez serem dezassete Resolveu avançar e esclarecer a incógnita. A sala era grande, estava cheia de mesas, simetricamente arrumadas, e o balcão limpo, a brilhar, mostrava falta de uso. Os candeeiros, de luz forte, estavam acesos, a iluminar aquela atmosfera vazia de vida e calor. Por trás do balcão estava o taberneiro — o único homem presente — que abria a boca de aborrecimento.
Larry dirigiu-lhe a palavra:
— Oiça, amigo. Que aconteceu por aqui? A cidade está despovoada? Ou será que ninguém por cá gosta de beber?
Como resposta, o recém-chegado viu na cara do taberneiro, uma sombra de susto, e os olhos, de cansados que estavam, acenderam-se subitamente com essa luz que tão bem traduz o terror. Voltou-se, avisado pelo extinto e levou as mãos aos coldres.
Nesse momento, uma seta sibilou no espaço e veio 'cravar-se no balcão entre as suas pernas.
Larry fixou a porta. Primeiro, só avistou um braço, um arco e uma seta, depois os batentes permitiram a entrada a um corpo esguio, mas musculoso (o que se via pelos movimentos) — e o «cow-boy» contemplou um índio da tribo dos arangonis, de rosto cavado pelos piores sentimentos, e uns olhos onde brilhavam chamas de malvadez.
 — Quem és? — perguntou Larry.
— «Abutre Negro — respondeu o «pele-vermelha». — «Abutre Negro», que vem avisar-te para saíres imediatamente da cidade enquanto tens vida. Aqui, quem manda sou eu! Todos os «rostos-pálidos» estão sob as minhas ordens! Pela primeira vez, um índio manda nos usurpadores das terras de Manitu! — E levado por um entusiasmo, onde se notavam embrutecimento alcoólico e princípio de loucura, continuou: — Toda a cidade me teme. Ninguém sai à noite! As minhas setas e a minha espingarda têm calado os mais ousados! Rio-me das leis dos brancos e não vês como o «saloon» está vazio? Ah! Toda a bebida é para mim, sou o dono de tudo isto...
Larry Jones, sem se mexer uma polegada do sítio onde estava, com as mãos caídas sobre as coronhas das pistolas, observou melhor o índio e verificou que aquele homem era perigoso. Notavam-se-lhe atitudes de branco, o que denotava grande convívio com esta raça, e uma profunda inclinação pelo «whisky» de baixa qualidade que então abundava pelas cidades do «Far-West». Não respondeu a toda aquela «lengalenga». Olhou de soslaio para o taberneiro, e viu-o pálido, a tremer, ansioso de arranjar esconderijo na parte baixa do balcão.
Entretanto, «Abutre Negro», que avançara alguns passos dentro da sala, perguntou:
— Finalmente! Quem és tu? Que queres daqui? Não sabes que não gosto de ver caras estranhas em «Mountain City»!
Larry Jones abriu os lábios num sorriso, que fez admirar o índio, e retorquiu:
— Venho de Denver, «Abutre»! Sou o novo «sheriff» da cidade! Nomeado pelo próprio Governador... e com a missão de te prender.
A estupefação do «pele-vermelha» foi enorme.
— Prender-me… a mim?!
— Sim.
— Ah! Ah! Ah! — O índio desatou às gargalhadas, enquanto os olhos iam endurecendo e criando um brilho criminoso. Lentamente as suas mãos apertaram novamente o arco, e uma delas começou a esticar a corda, onde estava apoiada uma flecha...
Nada disto passou despercebido a Larry. Antes que «Abutre» tivesse tempo de completar o gesto, soou um tiro, e arco e flecha partiram-se nas mãos do renegado. O índio ficou paralisado pela admiração e por dois ou três segundos esteve com a vista cravada nos restos da arma; depois, levantou os olhos e fitou a pistola fumegante que Larry empunhava, sem abandonar a posição primitiva.
Nesse instante, o taberneiro, curioso, levantou a cabeça acima do balcão e espreitou. Teve um «ah!» e deixou-se cair para o mesmo lugar. Era possível que existisse um homem que se atrevesse a enfrentar «Abutre Negro»? E a sua estupefação subiu, quando ouviu Larry dizer:
— Considera-te preso, patife! Acabaram-se 'os teus dias de imposição e terror! Desta vez vais bater com os ossos na prisão, e pagarás por todos os teus crimes!
O índio, que compreendia agora a classe de adversário que tinha de enfrentar, não se precipitou. Apesar de tudo era valente e depressa viu, que na presente situação, um passo que desse, era morte certa. Aquele homem era de boa pontaria e tinha o indicador sobre o gatilho, pronto a disparar. Resolveu, por isso, fugir.
Antes que Larry o suspeitasse, sem se mover em gestos inúteis ou denunciadores, deu um salto para trás, de costas, e caiu sobre os batentes da porta, • que se abriram para o deixarem passar e logo se fecharam com estrondo, impulsionados pelas molas.
Foi este último movimento dos batentes que salvou «Abutre Negro». As balas disparadas simultaneamente pelas pistolas do «cow-boy» cravaram-se na madeira.
Mas Larry não hesitou; de um salto, atravessou a sala, saiu para a rua, a tempo de ver o índio que se afastava a todo o galope, montado num cavalo branco, e desaparecer no caminho da planície. Pouco depois, Larry Jones seguia-o...
 Ao mesmo tempo, o taberneiro corria par rua e depressa se viu rodeado por uma multidão de curiosos. Narrou a chegada do «sheriff», a intromissão do «Abutre» e terminou com uma pergunta, que traduzia bem o pensar de todos os presentes.
— Qual dos dois homens regressaria: Larry Jones ou «Abutre Negro»?
* * *
O cavalo de Larry Jones era melhor, ou estava mais fresco do que aquele que o «pele-vermelha» montava. A todos os segundos ganhava terreno. Assim, os animais aproximavam-se um do outro, encurtando as distâncias.
Larry largou as rédeas, fincou os joelhos nos flancos do cavalo para manter o equilíbrio, e tirou as pistolas. O índio, mais adiante, tomado pela raiva de se sentir quase apanhado, virou-se no dorso do animal, levantou a espingarda que levava presa da rudimentar sela do cavalo e carregou no gatilho. Ouviu-se um «clique» sonoro, bem elucidativo: a arma estava sem balas. O índio proferiu uma praga e bateu com força na garupa da montada. 
O «sheriff», que tinha percebido o que acontecera, voltou a guardar as pistolas, e preparou-se para saltar sobre o adversário. Colocou os cavalos a par, tirou os pés dos estribos, e num mergulho atirou-se sobre o «pele-vermelha».
Os dois homens rolaram pelo solo, durante alguns metros. O primeiro a levantar-se foi «Abutre Negro», o índio renegado. Agiu como uma onça, quis aproveitar esta pequena vantagem e disparou um potente pontapé, que Larry aparou com uma das mãos, para logo levar a outra à perna, obrigar o «pele-vermelha» a saltar sobre si. Pulou, a seguir, para cima dele e agarrando-lhe no ornamento de penas que lhe enfeitava a cabeça, sacudiu-o com violência, para o entontecer.
Depois, puxou-lhe a cabeça para o peito é desferiu-lhe um soco curto, destruidor, nos maxilares, seguido de outro, no nariz. O índio quis reagir, mas um novo soco, desta vez na ponta do queixo, fê-lo exalar um gemido de dor...
* * *
Em frente do «saloon», o taberneiro mantinha-se à frente da multidão. Um silêncio pesado envolvia aqueles homens devorados pela expectativa. Todos os olhos estavam cravados na entrada da cidade.
De súbito, lá longe, dois vultos começaram-se a desenhar nas sombras da noite. Um montado num cavalo, outro atravessado na sela — um vencedor, outro vencido.
Seria Larry Jones ou «Abutre Negro»? A resposta veio dos lábios do taberneiro, que atirando o chapéu ao ar, gritou:
-- Viva o novo «sheriff»!
FIM

quarta-feira, 25 de julho de 2018

NOD120. O falso rancheiro



Dois agentes federais procuram um indivíduo responsável pela morte de um rancheiro com o objectivo de o roubar. Na mesma altura a filha do rancheiro desapareceu.
A sua pesquisa leva-os até uma povoação, não muito afastada de Abilene onde começam a surgir fenómenos como assassínios e roubo de gado durante o transporte. Uma jovem rancheira vê-se na contingência de perder os seus bens devido a uma hipoteca que pesa sobre os mesmos e à incapacidade de realizar a venda do gado.
Mas a ação dos federais vai transformar todo este ambiente e um falso rancheiro acaba por ser responsabilizado por crimes anteriores e pelos que assolam a povoação.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

NOD119. Morremos todos!


A guerra havia terminado. Centenas de homens, desmobilizados, procuravam uma nova forma de sustento. Dois deles, grandes amigos, decidiram separar-se porque algo os afastava. Um queria enriquecer a qualquer preço, outro aspirava a uma vida calma.
No Este, os fabricantes de armas viam o seu negócio arruinar-se, as ações perderem valor e queriam arranjar novos mercados a qualquer preço. Até que alguém se lembrou: «E se vendêssemos armas aos índios?».
Não foi difícil encontrar mão de obra para tão arriscada missão. E, um dia, os dois amigos encontraram-se em campos antagónicos…
Eis um Fred Hirons em grande estilo a denunciar a necessidade da guerra para o florescimento da indústria de armamento.

quarta-feira, 11 de julho de 2018

NOD118. O degenerado

O xerife Fischer, da pequena povoação Little Mountain, procurava infrutiferamente apanhar um bandido autoapelidado de «Jaguar» que não deixava em paz os ranchos da região nem o transporte de valores sendo responsável com a sua quadrilha por inúmeros crimes. Os poderosas já falavam em o demitir.
Decidiu, por isso, apelar a três amigos para o apoiarem. Conheciam-se desde os tempos da guerra civil e a sua amizade era inquebrável. Apenas um faltou ao apelo... e um dia em que Fischer viu o «Jaguar», entendeu que algo de conhecido havia nele...
A suspeita está presenta do princípio ao fim nesta obra de Louis Rock até no desfecho em nada esperado pelo xerife...

quarta-feira, 4 de julho de 2018

NOD117 Escrito com sangue



Muito jovem, John Maddison foi para Tulsa com o objetivo de trabalhar no jornal local. O seu objetivo era o de publicar versos, mas, em breve, se apercebeu que na redação havia um estranho silêncio em relação a factos relevantes relacionados com a reserva de índios «osage».
Os seus artigos e os seus punhos em breve faziam com que a situação se tornasse visível e um combate terrível desenrolou-se com aqueles que pretendiam aproveitar-se das terras dos outros apoiado por uma jovem que, de longa data, ajudava os índios fazendo-lhes chegar alimentos.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

NOD116. A noite do enforcado


Um homem, Windows, aguarda junto do guarda, que é seu amigo, o momento da execução.
A confiança que os une leva-o a contar-lhe a razão da sua condenação. Ele não suportara a atitude do patrão apostado em apoderar-se das terras de uma comunidade mórmon para engrandecer o seu império e... abatera-o.
Eis uma novela muito interessante, diferente de todas as outras, onde até encontramos uma jovem que gosta de tocar piano... embora desafine. E o final é mesmo o que não se espera: o «herói» não escapa e é executado.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

CNT012. Dupla traição


ED MULLINS era um desses singulares homens do Oeste que, à custa de hábeis expedientes e de uma conduta moral condenável, ia conseguindo ludibriar os incautos e singrar impunemente na vida.
Percorrendo o País de lés-a-lés, desde o Arizona até ao Alasca, tinha já o seu nome torpemente ligado a negócios obscuros e até a atentados cometidos em várias localidades.
A sua captura impunha-se mas constituía um problema porque agia sempre só, longe de testemunhas e nunca tinha um paradeiro certo, mantendo por prudência o anonimato. Como medida de precaução e porque temia ser caçado pela Lei, certo dia Mullins foi refugiar-se entre os índios Cheyennes, com os quais de há muito se relacionava.
Vivendo por uns tempos oculto nas montanhas estava a coberto de qualquer imprevisto.
(Fonte: Mundo de Aventuras, 2ª série, fascículo 568)

quarta-feira, 13 de junho de 2018

NOD115. Mataram uma mulher


Três mulheres. Ethel, Lina, Donna.
Todas igualmente bonitas, mas com posturas diferentes perante Jeff Kane. Uma delas não resistirá à traição que lhe terá movido. Outra encontrou nele a razão de viver.
Sabe-se que estes livros da Coleção Cow-boy e similares eram resumos. Neste caso, é uma pena que não se disponha da obra original, porque seria um livro para se desfrutar...

quarta-feira, 6 de junho de 2018

NOD114. Homens duros do Oeste


Jeff Duchesne, um pistoleiro famoso, chegou a Criple Creek, esperando encontrar o seu irmão. Sam era um rapaz ingénuo que não usava armas e passava a vida a pensar em filões auríferos e de petróleo. Ao que parece, tinha conseguido o seu objectivo e Jeff pretendia convencê-lo a proceder à venda do jazigo e afastar-se para um local onde pudesse comprar um rancho e estabelecer-se.
Mas Sam tinha sido assassinado e a sua propriedade tinha passado para a posse de um poderoso da região. Começou então a luta de Jeff para apurar quem o tinha matado e o que tinha acontecido ao que o irmão tinha descoberto. E descobriu que, afinal, um poderoso rancheiro que parecia tudo dominar estava nas mãos de uma quadrilha de indesejáveis.
Eis uma novela dura de Joe Sheridan mais uma vez com uma marca geográfica bem definida...
Alertamos para algum mau estado do livro em que não tocámos para não fazer desaparecer a impressão.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

NOD113. A consciência de Dick Loman



Poderia Dick Loman abater o homem que o tinha encontrado ferido, quase moribundo, no deserto que o tinha recolhido, tratado e integrado no seu próprio grupo? A sua consciência não o permitiu mesmo depois de este lhe ter feito a pior canalhice...
E isso quase lhe custou a vida...
«A consciência de Dick Loman» é mais um clássico da Coleção Bisonte que temos o prazer de aqui apresentar. Como sempre, um livro de Cardenas é um daqueles que merece ser lido.
Desfrutem...

quarta-feira, 23 de maio de 2018

NOD112. Caçador de homens


Edward Harrigan e Jeff Mitchell dirigiam-se a Billings com um conjunto de cavalos que tinham apanhado com o objetivo de os vender. Tal como em outras obras de Murphy, um dos amigos já tinha salvo a vida do outro e isso tinha-os unido para a aventura.
Em Billings depararam com um estranho assassinato de um jovem, filho de índio, estimado por todos. Quase simultaneamente uma rapariga muito bonita pediu a sua proteção relativamente a uma madrasta que não estimava. A jovem tinha namorado com o rapaz assassinado e não se sentia em segurança.
Ned e Jeff viram-se assim em nova aventura que procurava caçar o homem que estava por trás do assassinato de Billy, mas, para isso, tiveram de conhecer duas beldades: Bridget Línton, a madrasta e Hellen «Dificuldade», a escultural bailarina.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

NOD111. A pele de um homem

Ainda com catorze anos, Lionel Marlow viajou para regressar a Rio Perdido, depois de ter estado a estudar durante quatro anos no Leste. A sua chegada não era bem vista por um familiar que contratou um indivíduo pouco escrupuloso para o matar durante a viagem. Mas este homem, depois de receber o contratado, engendrou uma forma de receber o acordado sem cometer o assassinato. Perante a sua vítima potencial, afirmou que o pai tinha desaparecido e que ele o iria tornar um homem duro do Oeste.
Ao fim de alguns anos, Lionel era um homem famoso pelo seu combate aos apaches de Cochise e, um dia, dispôs-se a procurar aquele que o tinha apoiado e que estava feito num farrapo humano.
Ele próprio retribuiu àquele que julgava seu amigo a ajuda para o fazer sair da fossa, mas, um dia, quando este delirava, algo lhe revelou que a sua história não era aquela que lhe tinha sido contada.  E regressou a Rio Perdido.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

NOD110. Uma estrela de cinco pontas



À entrada de Virginia City, pregado num poste, estava o seguinte letreiro:  
Forasteiro: Quem quer que sejas, enganaste-te no caminho. Dá rédeas ao cavalo e foge o mais depressa possível. A cidade de Virginia não se fez para ti. Aqui, os homens alimentam-se de pólvora e as suas dentadas são piores do que uma mordedura de serpente. Foge enquanto tens tempo.
«A Junta dos Habitantes»
 Mas Pithy Raine não fugiu. Pegou na estrela de cinco pontas e em breve a junta de cidadãos que aterrorizava a cidade sentia o peso da sua valentia.

quarta-feira, 2 de maio de 2018

NOD109. O rancho maldito


Um jovem a precisar de dinheiro é aliciado para substituir um outro com quem é bastante parecido no retorno à família com o objetivo de obtenção de proveitos ilícitos. Apesar de aceitar o contrato, em breve, no seio dos falsos familiares, ele é levado a executar um conjunto de ações em seu proveito levando ao desespero os que o contrataram.
Aqui fica um livro um tanto estranho. Em vez de autoria, surge-nos uma adaptação e não se encontra qualquer indicação de data.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

NOD108. A fama do outro


Na Califórnia, na região de Soledad um homem utilizava mão de obra de pessoas chinesas em condições semelhantes a escravatura. Chegava ao extremo de os matar e abandonar quando as autoridades lhe apertavam o cerco.
Um representante da lei, Sybil La Platta, procurava por todos os meios contrariar este tráfico e pouco a pouco o seu nome ultrapassou as fronteiras do local onde habitava.

Nota; algumas páginas sem interesse foram retiradas da disponibilização

quarta-feira, 18 de abril de 2018

NOD107. O orgulho do sulista

Cansado de viver em Worth, Roger Lang abandonou a sua terra e partiu procurando a «pista do Oregão». Passados alguns dias da partida, encontrou uma caravana escoltada por alguns soldados que iam atravessar território dos ferozes «Kiowa» e acabou por se integrar na mesma, apesar de manifestações de desagrado da parte de alguns membros.
No seio da caravana, conheceu a bela Vivian Fox e decidiu que acompanharia aquela rapariga até ao fim por maior desagrado que isso causasse a outros.
Roger tinha lutado pelos sulistas na Guerra da Secessão e tinha especial habilidade no uso de armas, conhecendo bem os costumes dos índios. Ao fim de algum tempo começou a notar algo de esquisito com a caravana e a verdade é que esta ocultava o tráfico de armas com os índios...

quarta-feira, 11 de abril de 2018

NOD106. O rancho do cão sorridente


Um homem concebe e pratica o assalto perfeito a um banco, mas um pormenor falha: contrariamente ao que esperava, há uma pessoa a trabalhar que procura dar o alarme. Aterrorizado, mata a rapariga e empenha-se numa fuga que o leva longe. Mas é perseguido...
Primeiro o xerife que chega a prendê-lo, mas do qual se consegue desfazer. Depois refugia-se numa estação de mudas abatendo o seu proprietário e o cão que o apoia. Este, abandonado junto a uma rocha, parecia sorrir...
Mas nem assim quebrou a cadeia de pessoas que procuraram aquela estação de mudas... alguns dos quais "não eram tão maus como pareciam..."

Nota: algumas páginas inúteis foram retiradas da disponibilização, designadamente um anúncio na página 1, duas páginas em branco com a única indicação de capítulo 2, a página 128 em branco e a contracapa igual às restantes nesta zona da Búfalo

quarta-feira, 4 de abril de 2018

NOD105. Viajante de passagem


Dois ranchos.
Um pertence a um ex-ladrão que aspira a aumentar as suas terras para ter mais espaço e pastagens para o gado. Outro, nas mãos de uma mulher, depois de o pai ter sofrido misterioso acidente, constantemente sujeito a roubos e ao assédio do vizinho.
Um viajante de passagem. Procurava trabalho e foi contratado pela jovem em dificuldades, embrenhando-se a partir daí numa luta feroz para a apoiar.
Cliff Bradley é o autor desta obra que não merecia os erros de tradução e revisão que ostenta.

quarta-feira, 28 de março de 2018

NOD104. Johnny Puma



«Às onze da manhã de hoje, encontrámos o pobre Harry entre os juncos da margem do rio. Tinham-lhe dado um tiro pelas costas, depois de o manietarem. Foi Rufus quem cometeu essa «proeza». Tenho duas testemunhas contra ele; mas Rufus matá-las-á também, à menor suspeita de que queiram dar com a língua nos dentes e aqui não há ninguém capaz de protegê-las. Tu és o único homem no mundo em quem posso confiar. Vem imediatamente. Pagar-te-ei o que me pedires, contanto que Harry seja vingado. Apelo, sobretudo, para a recordação dos bons momentos que passámos juntos e para a tua amizade com meu pobre irmão. Não podes abandonar-me. Espero-te.»
E Johnny partiu para Losehope para vingar o seu amigo e ajudar a irmã deste. Vingança... um tema recorrente em Mark Halloran.

quarta-feira, 21 de março de 2018

NOD103. Rios de sangue


Um traficante, que comerciava armas com os índios em troca de peles, concebeu o maquiavélico plano de semear monumental conflito que os levasse à expulsão daquelas terras, para nelas estabelecer o seu rancho. Os seus planos quase foram coroados de êxito, tendo sido contrariados por um jovem índio que assistiu ao massacre por ele desencadeado. Mas isso não evitou que, antes de a paz regressar, se tivessem formado rios de sangue.
De acordo com a edição espanhola da editorial Toray com o nome «sangre en la pradera», o nome do autor é Vic Adams e não Vic Cidams, pelo que na etiqueta será por aquele nome, já nosso conehecido, que designaremos o autor.

quarta-feira, 14 de março de 2018

NOD102. Apaches do inferno


Um grupo algo heterogéneo. formado por mexicanos, descendentes de índios e quadros do exército americano organizou-se para vender armas aos apaches recebendo ouro em troca. Um oficial do exército, quase a descobrir esta rede, é preso e condenado a ser executado. No último momento, um amigo valeu-lhe e ele partiu, assumindo outra identidade, com o objetivo de esclarecer o estranho negócio com os índios.

quarta-feira, 7 de março de 2018

NOD101. Contrato de pistoleiros


Jim Farrel regressava a Helena, dez anos depois de ter abandonado a casa dos pais, quando deparou com um homem morto. Pouco depois, estava a ser acusado de assassínio e uma tentativa de justiça imediata executada por um bando de energúmenos foi abortada pelo xerife da cidade.
Mas os ânimos estavam exaltados e aqueles que se viraram contra Jim acabaram por assassinar os seus pais queimando-os numa fogueira. Começa aí uma vingança cujo autor designa por «Contrato de pistoleiros».
Esta novela segue os passos habituais de Raf G. Smith. Muita fanfarronada e um enredo policial que culmina no criminoso mais insuspeito.

Mais livros

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...